Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Assins & Assados

Um menu vegan num restaurante de fine dining

por Paulina Mata, em 12.02.18

 

adams-restaurant-birmingham-3.jpg

 

amarelo.jpg

 

Nos últimos anos tenho comido muitas refeições vegan. A minha filha mais nova é vegan há cerca de 3 anos e, quando estou com ela,  a maior parte das vezes, como também refeições vegan. Para podermos partilhar, porque acho mais simpático e para abrir horizontes (e tem aberto mesmo). Já me aconteceu não ter pedido um prato vegan, e depois de provar o dela ter concluído que tinha feito mal. Foram refeições em casa e em restaurantes, uns de comida mais rápida e menos elaborada, outros em restaurantes de cadeias, que por aqui têm sempre pratos vegan, outros em restaurantes independentes de comida vegan, vegetariana, ou apenas oferecendo alguns pratos vegan. Faltava-me comer uma refeição vegan num restaurante de fine dining. Nem todos oferecem um menu equivalente ao menu normal, em número de pratos e qualidade, mas a minha filha sabia que o restaurante Adam's, no centro de Birmingham, e com uma estrela Michelin, o fazia. Mais que isso, tinha ouvido muito boas referências. 

 

Fazem os menus vegan, mas apenas se solicitado antes (embora tenha verificado que há pratos que fazem  parte dos menus servidos habitualmente). Assim, quando da marcação (na véspera) dissemos que pretendíamos uma refeição vegan. A (boa) experiência começou aí. Quem fez a marcação deu os parabéns pela escolha sensata, e pelo facto de com essa opção alimentar estarmos a contribuir para salvar o nosso planeta. Disse ainda que não tinha conseguido fazer essa opção, mas andava a reduzir o consumo de carne a 1 ou 2 vezes por semana, mas que o principal problema dele era a manteiga porque adorava cozinha francesa. Ou seja, um atendimento muito simpático, personalizado, em que fizeram sentir que não era um pedido inconveniente para eles, mas que tinham todo o gosto em se adaptar aos nossos requisitos alimentares. (Uns dias antes tinha ouvido relatar uma situação ocorrida num outro restaurante com uma estrela Michelin em que disseram que não faziam, mas tiveram a infeliz ideia de dizer às pessoas que se queriam comer lá, tinham a opção de deixar de serem vegans por um dia).

 

Entrámos numa sala muito confortável e agradável, com um bom espaço entre as mesas. Depois de nos sentarmos trouxeram-nos a carta e havia duas escolhas, um menu com 8 pratos e um menu com 3 pratos. Não nos tinham perguntado nada sobre isso e portanto estavam preparados para nos servir qualquer dos tipos de menus que ofereciam habitualmente. Os preços também eram os mesmos dos menus não vegan. Escolhemos o menu de 3 pratos (£ 39,5), mas nesse havia duas opções para cada prato. Perguntámos se podíamos escolher os dois menus diferentes, e portanto os 6 pratos. Disseram-nos que não havia qualquer problema nisso, e assim foi. Ou seja, provámos 6 dos pratos oferecidos no menu de 8 pratos.

 

Antes dos pratos, chegaram-nos os amuse-bouche: couve-flor (um dos géis era de coentros), biscoitos de noz recheados com creme de aipo-nabo, crackers de arroz com um creme tipo maionese (corados de negro) e um cone com fondant de tomate e puré de abóbora. Sabores e texturas muito variados, todos muito bons.

 

IMG_20180207_123856.jpg

IMG_20180207_124601.jpg

IMG_20180207_125158.jpg

 

 Foi depois o momento de dois excelentes pães. 

 

IMG_20180207_125728.jpg

 

Seguiram-se então os pratos, para começar:

 

IMG_20180207_131034.jpg

 Celeriac, parsley, pine

 

IMG_20180207_131129.jpg

 King oyster, mushroom ketchup, shiitake tea

 

O primeiro muito bom. O segundo excelente. Com aquele ar simples era de uma riqueza de texturas e sabores muito grande. O chá de shiitake (no copo atrás do prato) com uma grande intensidade de sabor, fazia toda a diferença. Um prato que não vou nunca esquecer. Que gostaria de comer muito mais vezes. 

 

IMG_20180207_132830.jpg

 Purple sprouting broccoli, sourdough

 

IMG_20180207_132944.jpg

 Salt baked salsify, parsley root, shiitake

 

Dois pratos também muito bons, ricos em sabores e texturas como os anteriores. Mas, considerando a estrutura habitual de um menu, em que há entrada, seguida de prato principal, as expectativas eram outras - de algo mais "substancial" com a estrutura de um prato principal. Também penso que deveria haver um crescendo no menu. Para mim, depois daquele prato de cogumelos era difícil... Trocando a ordem dos pratos ficaria mais feliz. Não era preciso serem outros, apenas trocar a ordem, principalmente o dos brócolos com o dos cogumelos.

 

Chegou em seguida uma pré sobremesa: 

 

IMG_20180207_135628.jpg

 

Inspirada no arroz doce com manga tailandês, manga fresca, um gelado de manga, uma espuma de coco e caril verde, por cima arroz (quase pareciam uns insectos, até me assustei e pensei, "mas não tínhamos pedido vegan?")

 

IMG_20180207_140947.jpg

 Dark chocolate, passion fruit, mango

 

IMG_20180207_141034.jpg

 Comice pear, toasted hay, praliné

 

Muito boas as sobremesas, e também a pré sobremesa, seria ainda melhor se não tivesse havido a repetição do gelado de manga na pré sobremesa e na sobremesa. Para terminar uns bombons. E à saída deram-nos ainda uma caixinha com outros bombons para trazermos.

 

IMG_20180207_143049.jpg

 

Um óptimo almoço, que acompanhámos com um vinho branco inglês a copo - Sixteen Ridges, Bacchus, 2015. 

Falta falar do serviço, que foi excelente, sempre muito atento e simpático. Mas teve uma curiosidade extra. A certa altura a minha filha diz, "acho que o empregado é português, pelo sotaque pareceu-me". Quando escolhi o vinho conversei um pouco com o sommelier (que não era português) sobre os vinhos ingleses. No final ele disse "sei que são portuguesas, ontem estive a provar vinhos portugueses da Quinta do Crasto". Ainda suspeitámos mais fortemente que o empregado que tinha estado antes na nossa mesa era português. Perguntámos, e era mesmo. Fez o curso em Portugal, numa escola do norte, e quando acabou havia uma oportunidade de trabalho em Inglaterra. Veio, para ganhar experiência durante uns meses, está cá há seis anos, os últimos quatro no Adam's. Passado um pouco apareceu para nos trazer outros pratos com outra colega e disse, "desta vez vêm os dois portugueses". Falei com ela que me disse que tinha trabalhado em alguns restaurantes em Lisboa, e depois decidiu vir ganhar alguma experiência para Inglaterra. Está no Adam's há seis meses, falou-me do bom ambiente de trabalho, ambos gostam muito de viver em Birmingham. 

 

Uma óptima experiência, fiquei a saber que os menus vegan são feitos quando pedidos na marcação e variam, que se lá voltar provavelmente não vou comer nenhum daqueles pratos. Era muito bom que cada vez mais restaurantes deste nível fizessem o mesmo. Gostei muito da comida, gostei do ambiente, e fiquei com vontade de voltar para outras experiências.

 

 

 1ª Foto DAQUI

9 comentários

Comentar post