Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Assins & Assados

The Fat Duck - Bedtime: Off to the Land of Nod

por Paulina Mata, em 20.06.18

etapa6.jpg

 

amarelo.jpg

 

etapa6 desc.jpg

 

Bedtime: Off to the Land of Nod

 

Counting Sheep  

 

Terminado o jantar, e depois de um dia tão longo, era hora de ir dormir, de contar carneiros...

 

A primeira coisa a chegar à mesa foi uma colher com o cabo revestido de um tecido que lembrava o pelo do carneiro. Era estranho pegar na colher com este cabo, mas fazia parte da sensação de conforto que caracteriza a hora de deitar, lembrava o momento de contar carneiros. Li que o peso da colher também remeteria para a hora de deitar, mas não reparei nele.

 

 

IMG_20180517_161851.jpg

 

Disseram-nos que cheirássemos o cabo. Cheirava a pó de talco. Pó de de talco, foi o tema que inspirou esta sobremesa final que era toda completamente branca.

 

De seguida chegou uma base com o formato de uma nuvem, e por cima colocaram, a flutuar, uma almofada sobre a qual estavam dois merengues. Penso que a inspiração era o leite e as bolachas comidos à hora de dormir. Penso também que eram merengues de malte recheados com um creme de leite. Mas àquela hora já nada era claro.

 

IMG_20180517_162419.jpg

 

Foi bom comê-los, foi divertido depois fazer rodar a almofada, brincar com ela. Depois de 16 pratos, 1 cocktail e 8 vinhos já se sentia necessidade de um momento de descanso... tinha sido uma percurso excelente, com muitos momentos altos, muitas emoções... tudo isto cansa também... Este momento de calma e descontração soube bem.

 

Mas imediatamente a seguir chegou o resto desta sobremesa. Não sei discriminar os vários elementos, no itinerário esta sobremesa está descrita como:

 

Malt, orange blossom, tonka, milk, meringue, crystalized white chocolate, pistachio

 

IMG_20180517_163006.jpg

IMG_20180517_163212.jpg

 

Texturas suaves, uma grande riqueza de sabores, uma sobremesa monocromática, tudo branco!

 

Acho que foi nesta altura que nos perguntaram se queríamos visitar a cozinha. A cozinha mínima que recordava de outras visitas, era agora bem maior. Era ali que tudo era feito, ou melhor, terminado visto que a maior parte é preparado noutras instalações do outro lado da rua.

 

Voltámos à mesa...