Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Assins & Assados

Perguntas para que não tenho resposta... Mas gostava.

por Paulina Mata, em 03.07.19

IMG_20180807_140724.jpg

 

cinzento.jpg

 

 

É sempre com muita curiosidade que leio as críticas do Jay Rayner a restaurantes das mais variadas cozinhas. De certa forma espanta-me, e muito admiro, os conhecimentos que demonstra sobre elas e sobre a sua experiência de as consumir. 

 

Há dias li uma, a um restaurante de cozinha do  Sri Lanka, que me deixou a pensar durante muito tempo.  Foi feita dias depois dos recentes ataques terroristas naquele país, para louvar a normalidade, a boa comida e a cultura. Segundo as palavras dele:

 

Eating well is an expression of normality. When we’re not in crisis, we eat well. When we’re not at war, we eat well. It’s also a way of reclaiming normality: of refusing to let the darkness win. It’s why I went to the Coconut Tree in Cheltenham, the original outpost of a small group of places serving what they describe as Sri Lankan street food. A few weeks ago, the island made headlines for the most terrible of reasons: a grim narrative of suicide bombs and body counts. Countries are not defined by atrocity, but by the good things. Great cooking is always one of the good things. A restaurant review cannot defeat terror but, at the very least, talking about the country’s vivid food – its way with coconut, turmeric, cardamom and chilies – is so very much better than talking about all the other stuff we’ve heard from Sri Lanka recently.

 

O preço dos pratos no restaurante situa-se entre 2,5 e 8 libras, é um restaurante muito simples, mas com boa comida que reflete a cozinha do Sri Lanka e a dá a conhecer. Uma crítica feita com os mesmos padrões com que são feitas outras (evidentemente que não colocando tudo no mesmo saco).

 

Se me perguntarem onde enriqueci mais a minha "base de dados" de sabores, ingredientes, combinações... Sem dúvida que foi nas visitas a restaurantes de outras culturas. Restaurantes baratos, mas com uma oferta por vezes extremamente interessante, diferente, que nos permitem mesmo viajar à mesa. Por vezes, ao comer alguns pratos de chefes (portugueses e não só), inspirados nestas cozinhas, ocorre-me que são bem mais pobres do que o originais. Que é difícil captar a sua essência, a história e cultura que refletem.

Londres foi, durante muitos anos (e até ao presente), o local que me permitiu conhecer muito daquilo a que de outra forma não tinha acesso. Mas, atualmente em Lisboa cada vez há mais oportunidades de conhecer a cozinha de outros países. Vivo na freguesia mais multicultural de Portugal, cerca de 90 nacionalidades diz o boletim da Junta de Freguesia de Arroios. Cada vez a diversidade de oferta gastronómica é maior. Uns restaurantes mais sofisticados, outros menos. Alguns, aparentemente, funcionam basicamente para os naturais desses países, outros atraem um gama maior de clientes. Tantos sabores para experimentar!

 

Curiosamente esta diversidade é muito pouco refletida pelo jornalismo gastronómico em Portugal. É verdade que de vez em quando há um ou outro artigo sobre esta variedade de oferta, mais a título de curiosidade, mas não é a isso que me refiro. Penso que se justificaria começarem a ser tratados como os outros restaurantes, haver mais artigos, e mais aprofundados, sobre as  diferentes gastronomias a que temos acesso, informação sobre os produtos e técnicas culinárias, sobre a forma como obtém os produtos... milhentas coisas. E até que os críticos se começassem a debruçar sobre eles.

 

Os pensamentos são como as cerejas, vem sempre mais um, e tudo isto me fez refletir também sobre o jornalismo e crítica gastronómica. Questionei-me se não havia um certo elitismo, os restaurantes noticiados e criticados não são acessíveis à grande maioria dos leitores. Não digo que não sejam objeto de reportagem ou crítica, mas quase exclusivamente? Como se sente a generalidade de leitores ao ler sobre aqueles temas? Que interesse despertam?

 

Tudo perguntas para que não tenho resposta... Mas gostava.

 

 

12 comentários

Comentar post