Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Assins & Assados

C ao Cubo - recordando velhos tempos e uma exposição (1)

por Paulina Mata, em 20.09.20

logo_preto.jpg

 

rosa.jpg

 

Uma viagem por arquivos antigos, fez-me descobrir coisas que o tempo tinha feito esquecer e recordar outras de que não me esqueço nunca. Uma destas últimas é o projeto C ao Cubo, que lançámos em Junho de 2008 com o apoio da Ciência Viva e da ACPP, e a que foi dado algum destaque pela imprensa. Apeteceu-me recordá-lo aqui, até porque organizámos uma exposição no Pavilhão do Conhecimento para o lançamento do projeto que achei interessante partilhar. 

 

No blog C ao Cubo, que criámos para dar conta das atividades associadas ao projeto, o primeiro post dava conta dos objetivos:

 

Nos últimos anos tem-se assistido a uma verdadeira revolução no mundo da gastronomia. Em todo este processo tem desempenhado um papel importante a ligação entre ciência e cozinha. Acreditamos que esta ligação pode ser extremamente frutuosa se todos os intervenientes participarem de forma activa e contribuírem com as suas competências.

Pretendemos em Portugal aprofundar a relação entre profissionais de ciência e de cozinha de forma a estabelecer uma colaboração produtiva. Deste trabalho conjunto surgiu o C3 que pretende ser, por um lado, um ponto de encontro de todos os que pretendem integrar este processo e por outro lado um estímulo ao seu desenvolvimento.

Numa fase inicial, estamos a investir na formação de um think tank com cientistas e profissionais de cozinha de referência que funcione em ligação estreita com a ACPP (Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal) e que possa contribuir para a resolução de problemas de interesse geral para a classe. Iremos também iniciar a realização de seminários periódicos de Gastronomia Molecular de participação livre. Pretendemos também estabelecer e aprofundar as relações com outros protagonistas deste processo em todo o mundo.

Para a apresentação do projecto C3 , no dia 17 de Junho [de 2008], convidámos Hervé This para nos dar conta do seu trabalho nesta área nos últimos 20 anos e da sua experiência com a realização dos Seminários de Gastronomia Molecular em Paris desde 2000. Pretendemos desta forma reconhecer a forte contribuição que tem dado para aprofundar a relação entre ciência e cozinha, e ainda associarmo-nos às comemorações do 20º aniversário da Gastronomia Molecular.

Fausto Airoldi, Luís Baena, Conceição Loureiro Dias, Paulina Mata

 

Tenho pena, mas as coisas acabaram por ficar aquém do que planeámos. Contudo durante um ano foram organizadas diversas atividades muito interessantes, descritas com detalhe no blog. De vez em quando ainda lá vou procurar informação. Não foi o que sonhámos, mas foi muito bom enquanto durou!

 

A razão principal deste post, e dos seguintes, é recordar essa exposição, que teve lugar no lobby do Pavilhão do Conhecimento de 17 a 29 de Junho de 2008, e constava de 12 painéis (diria que com cerca de 2 metros de altura). Os objetivos da exposição foram assim apresentados na altura:

 

Já reparou que a sua cozinha é um pequeno laboratório? Todos os dias lá ocorrem saborosas reacções químicas, fenómenos físicos apetitosos e processos biológicos deliciosos!
Em geral a palavra “ciência” é associada a laboratórios e conceitos abstractos, com pouca relação com o quotidiano do cidadão comum. Mas tal não corresponde de todo à realidade. A ciência está no nosso quotidiano.
Os nossos alimentos, como tudo o que é matéria, são constituídos por átomos e moléculas. Quando cozinhamos estamos a provocar, ou a evitar, determinadas reacções químicas, fenómenos físicos...
É admirável como ao longo dos tempos, empiricamente, se chegou à forma de obter os melhores resultados na cozinha. Hoje os conhecimentos adquiridos permitem justificar, a nível molecular, muitas das técnicas comuns, explicando-as com base na composição dos alimentos e alterações físicas e químicas que ocorrem na sua preparação.
Descubra quanta ciência existe nos pratos de alguns dos mais conceituados Chefes de cozinha a trabalhar em Portugal, mas também quanto quanta beleza e arte na combinação de sabores, aromas e texturas.

 

Aqui ficam, por ordem alfabética dos apelidos dos chefes, 4 desses painéis:

 

Airoldi.jpg

 

jose_avillez_low.jpg

 

luis_baena (1).jpg

 

miguel_castro_silva.jpg

 

Tenho pena que não fique legível, quem quiser ver com mais detalhe pode, durante os próximos 7 dias, descarregar deste link uma versão legível dos 4 painéis  -    https://we.tl/t-xSIMadKTZM