Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Assins & Assados

Há artigos que me causam uma enorme inveja por não os ter escrito...

por Paulina Mata, em 09.10.17

NS GP.jpg

 

preto.jpg

 

O post do Word of Mouth sobre os Sausage Rolls trouxe-me um presente maior ainda. Clicar nos vários links levou-me a ler um artigo do Nigel Slater, já com mais de três anos: Nigel Slater: why Big Macs are my guilty pleasure.

 

De vez em quando há artigos que me causam uma enorme inveja por não os ter escrito. Este foi um deles! 

 

 

 

Lisbon - Recipes from the Heart of Portugal

por Paulina Mata, em 26.09.17

lisbon 10.jpg

 

preto.jpg

 

De vez em quando vou até a uma livraria, sento-me num dos sofás com alguns livros e vou passando as páginas. Há dias aconteceu e, como sempre, o destino principal são os livros sobre comida. Olhei para as prateleiras dos livros de cozinhas dos vários países, e pensei "Como costume não há nada de Portugal", mas de repente leio na lombada de um livro "Lisbon" em letras grandes. Já nem escolhi mais nenhum. Peguei naquele com entusiasmo, mas sem grandes expectativas (o que é absurdo, pois os livros editados nos países anglo-saxónicos são em geral bons). Fui passando as páginas e o entusiasmo cresceu. E apercebi-me que, com a popularidade actual de Lisboa, era normal que um livro destes aparecesse.

 

O livro é muito bonito, mostra uma Lisboa onde apetece ir. 

 

lisbon 11.jpg

lisbon 15.jpg

 

Mas melhor que isso, transmite-nos as vivências e sensações de quem foi a Lisboa e por lá andou com o intuito de escrever este livro.  Ficamos a saber por onde passou, o que fez, o que comeu... refere aspectos históricos relacionados com Lisboa. Tudo isto, contudo, não valeria muito se as escolhas fossem más, se as receitas fossem más. Mas não são...

 

lisbon 1.jpg

lisbon 2.jpg

 

Há diversos tipos de receitas. As tradicionais, que tanto quanto me pareceu são bastante fiéis, podendo por vezes ter a adição de um complemento que nós não usamos, por exemplo um pouco de maionese com piripiri para acompanhar uns pastéis de bacalhau. Receitas menos tradicionais, mas com produtos nossos, e frequentemente comidas num restaurante. Receitas goesas, na sequência de refeições no Cantinho da Paz, e com uma explicação da ligação a Goa e à sua cozinha.

 

IMG_20170925_103827.jpg

lisbon 3.jpg

lisbon 4.jpg

lisbon 5.jpg

lisbon 6.jpg

lisbon 7.jpg

IMG_20170925_104035.jpg

 

Ao ver as escolhas, achei que tinha coisas muito nossas, em que por vezes não reparamos, mas que caracterizam a forms como comemos. Coisas que se calhar um português não escolhia para um livro de receitas, que só o olhar de um estrangeiro, que as experimenta pela primeira vez, lhes reconhece a originalidade. Isso toma aspectos particularmente interessantes nas sobremesas, em que inclui uma série de coisas bem comuns e características, mas que de facto ninguém faz em casa - fios de ovos e ovos moles, pão de deus, pastéis de nata, bolas de berlim com recheio, farturas...

 

lisbon 9.jpg

lisbon 12.jpg

lisbon 13.jpg

 

E para que os sabores sejam tão fiéis quanto possível aos originais, inclui receitas de alguns temperos, e até de bebidas. É o caso da massa de pimentão e da ginjinha.

 

lisbon 8.jpg

lisbon 14.jpg

 

No final conselhos e sugestões, e lá estavam vários locais que bem conheço e até restaurantes de alguns amigos.

 

lisbon 16.jpg

 

Este excelente livro, que saíu em Junho deste ano e que foi publicado em UK, USA e Austrália,  é de Rebecca Seal, escritora de livros e artigos sobre comidas e bebidas e apresentadora de televisão. Escreveu para o Observer e actualmente é freelance e publica, entre outros, no The Times, Guardian, Financial Times, Telegraph e revista Olive. As belíssimas fotos são do seu marido, Steven Joyce.  

 

Adorei o livro e, como devem imaginar, veio comigo para casa.

 

Hoje li que sairá breve um livro também sobre cozinha de Lisboa de Nuno Mendes. Curiosa...

 

Why we fell for clean eating - Vale a pena ler.

por Paulina Mata, em 04.09.17

 BW guardian.jpg

 

preto.jpg

 

Cada um tem o direito de comer o que entender, e isso nem discuto, e respeito. Compreendo que por questões ideológicas, religiosas e de saúde não se comam determinados alimentos. Já não compreendo é que se "vendam" dietas com benefícios pretensamente comprovados, ganhando dinheiro com isso ou não, quando de facto não há nada sério que o comprove e as ditas dietas possam até ser perigosas. E essas dietas abundam... são tantas que há sempre uma e o seu oposto... Modas sempre as houve, em tudo, e com o que comemos também... Agora endeusar uns alimentos chamando-lhes "superalimentos" ou "alimentos puros" e demonizar outros, é algo que também não entendo. E cada vez mais penso que seria necessário algum controle e tomar medidas que levem a opções mais conscientes.

 

Já algumas vezes abordei brevemente estes assuntos aqui. De facto não sou especialista e escrever de forma fundamentada requereria um tempo de que não disponho. Mas gostaria muito de ver, com igual visibilidade, textos sérios e bem fundamentados de especialistas no assunto sobre tudo isto. Gostaria também de ver textos sérios na imprensa, em vez de ver quase exclusivamente uns textos que são apenas uma quase amplificação de dietas sem qualquer fundamento sólido ou de presumíveis, mas não comprovados, benefícios para a saúde relativamente ao consumo, ou não, de determinados alimentos.

 

Este fim de semana passei um bom bocado a ler um artigo muito interessante sobre "clean eating":

 

"Why we fell for clean eating"  

de

Bee Wilson

 

Valeu a pena, e de facto a forma como as pessoas aderem a estes movimentos e a forma como reagem a opiniões diferentes dá que pensar...

 

Uma belíssima cidade

por Paulina Mata, em 08.07.17

lisbon city guide.jpg

 

preto.jpg

 

Uma belíssima cidade... A minha!

 

Se não vivesse aqui, de certeza que, depois de ler este artigo do The Guardian, a punha na minha lista de cidades a urgentemente visitar.

 

Eles dizem:  It’s a place so beautiful you can’t believe people are using it to live in.  E nós, que aqui vivemos, às vezes até nos esquecemos...

 

 

Hoje descobri que o Ceviche Puro de A Cevicheria tem 26 ingredientes

por Paulina Mata, em 07.05.17

IMG_20170406_170211.jpg

 

preto.jpg

 

Há dias, no Peixe em Lisboa, comi este Ceviche do espaço do Kiko. Estava óptimo! Aliás, os ceviches de A Cevicheria são deliciosos e muito bonitos, sem dúvida os melhores que comi.

 

Hoje peguei no livro A Cevicheria e estive a passar as páginas e a ler algumas receitas. Encontrei as receitas de todos os pratos que comi na Cevicheria, e muitas mais... Uma das que li foi a receita deste Ceviche Puro que comi no Peixe em Lisboa, mas também no Talho, no A Cevicheria e mais recntemente no Surf & Turf. Li a receita com cuidado e atenção. Para fazer este prato, aparentemente tão simples, são necessários 26 ingredientes diferentes, alguns dos quais que não estão facilmente disponíveis, e uma preparação longa.

 

livro kiko.jpg

 

Não sei se alguma vez vou fazer o Ceviche Puro, acho que prefiro ir comê-lo a um dos restaurantes do Kiko, sai mais fácil e acho que até mais barato. Mas gostei muito de ver a receita e de me aperceber da complexidade da preparação destes pratos. E quem o quiser fazer, tem no livro toda a informação disponível. Este é outro aspecto de que gosto muito. Toda esta informação relativa a 43 pratos, que estão ou estiveram no menu de A Cevicheria, ser disponibilizada e estar acessível a todos. Relativamente a cada prato é ainda dada informação de quando entrou e, se fôr caso disso, quando saíu do menu de A Cevicheria.

 

No final há um glossário que explica os ingredientes e técnicas menos comuns referidas nas várias receitas. O livro tem ainda boas fotografias que fazem justiça à beleza dos pratos, e tem outra característica que se torna cada vez mais importante neste tipo de trabalhos, é bilingue, estando toda a informação em português e inglês. Acredito que o Kiko tenha muitos turistas no restaurante e certamente alguns deles gostarão de levar consigo as receitas dos pratos que comeram.

 

Quanto à forma de escrever as receitas, um aspecto a que sou sensível, estão bem organizadas, do que li as instruções parecem-me claras, só tenho pena que os ingredientes não apareçam sempre pela ordem porque surgem nas instruções da preparação, um aspecto que facilita muito, e evita erros, quando se está a seguir uma receita.

 

 

 

 

A inconstância dos projetos na restauração

por Paulina Mata, em 20.04.17

post PCG.jpg

preto.jpg

 

Sobre a rapidez de mudança na restauração, a consequente falta de solidez e consistência dos projectos, e a impossibilidade destes se constituírem com referência, escreve Pedro Cruz Gomes no seu Gastrossexual, num post que termina assim:

 

Para onde vamos, para onde queremos ir, o que queremos fazer com a herança gastronómica que nos formou? Temo que, para além da falta de vontade, não tenhamos tempo para responder...

 

Gostei de ler. Vale a pena ler e reflectir...

 

 

‘We want more female chefs!’ by Tony Naylor (Olive Magazine)

por Paulina Mata, em 11.03.17

tony naylor.jpg

verde escuro.jpg

 

Esta é a primeira frase do último paragrafo de um artigo sobre as mulheres na cozinha. Um tema de que pouco se fala, e quando isso acontece a discussão e os argumentos são muito fracos. É preciso ir muito mais fundo. Por isso gostei mesmo muito de ler o artigo de Tony Naylor, para a Olive Magazine,  "We want more female chefs!"

 

Um excelente ponto de partida para pensar. Para reflectir mais profundamente sobre o assunto.

 

 

 

 

A Matabala e as Coincidências

por Paulina Mata, em 10.12.16

matabala22.jpg

 

 

preto.jpg

 

Adoro coincidências! Há dias conheci uma pessoa que em conversa me disse que tinha estado em São Tomé e me falou de um tubérculo que tinha comido lá - a matabala - um tubérculo na altura muito desdenhado. Desconhecia-o, que me lembre, foi a primeira vez que ouvi falar dele.

 

Menos de uma semana depois, entrei na Vida Portuguesa no Chiado e dei uma vista de olhos aos livros. Um deles era sobre cozinha de São Tomé e Princípe: Sabores da Nossa Terra de Inês Gonçalves, Conceição de Deus Lima e Patrícia Brito. A capa atraente fez com que reparasse nele e o folheasse.

 

sabores da nossa terra.jpg

 

A certa altura lá estava ela, a matabala, e uma série de receitas usando-a. Claro que trouxe um livro comigo. Impossível resistir. Ao lê-lo confirmei que a matabala, particularmente em São Tomé (pois no Príncipe onde é conhecida por kôkô foi sempre usada), até à independência era desprezada por todos os estratos sociais, sendo classificada como alimento para suínos, e o seu consumo, em situações de aperto, podia provocar algum embaraço e exigir discrição. Fiquei também a saber muito mais sobre este tubérculo originário da América tropical e introduzido em São Tomé e Príncipe a partir do século XVI, quando este arquipélago se tornou um importante ponto de passagem, e entreposto comercial, na rota marítima transatlântica entre África e as Américas

 

Depois da independência, e em particular nos anos 80, quando a situação económica levou a descontinuidades na importação de batata, a matabala passou a ser cada vez mais consumida e foi introduzida em alguns pratos para substituir a batata. Mas a responsabilidade principal no seu estatuto actual na gastronomia de São Tomé deve-se aos pediatras e nutricionistas cubanos que  convenceram as mães são-tomenses do alto valor nutritivo deste tubérculo e as incentivaram a dar papas de matabala às crianças.

 

Chamou-me a atenção a receita de Matabala Frita em Molho de Amendoim, para acompanhar chocos. Nela a matabala é cozida, depois cortada em palitos e estes são salteados numa mistura de pasta de amendoim com azeite. Talvez experimente um dia destes com batata, pois encontrar matabala por cá é uma missão impossível... Se em São Tomé ela foi introduzida em muitos pratos para substituir a batata, eu substitui-la-ei pela batata.

 

Muito bonito  e interessante este livro, com capítulos dedicados a ingredientes marcantes da cozinha são-tomense (Banana, Fruta-pão, Matabala, Folhas e Cacau) e que, a par com receitas tradicionais, incluí outras mais modernas. 

 

Foto inicial retirada do livro.

O mundo gastronómico - tudo mudou... tudo continua a mudar...

por Paulina Mata, em 16.11.16

rest1.jpg

 

preto.jpg

 

A propósito de alguns comentários ao post Uma variedade de formas para uma cozinha de qualidade, lembrei-me do artigo Dining in Style de Gary Alan Fine, publicado em Discover Society que li há umas semanas. Acho interessante referir alguns pontos focados no artigo que penso que caracterizam muito bem a evolução dos restaurantes, do papel dos chefes e de aspetos relacionados com quem os frequenta. Mas mais interessante ainda é a leitura do artigo completo.

 

Há relativamente pouco tempo, só os restaurantes eram motivo de notícia, o nome do chefe não era conhecido, nem sequer relevante. No último meio século o mundo da cozinha mudou e em consequência mudou também o mundo dos cozinheiros. À medida que o processo que denominado por "artificação" se expandiu, imbuindo vários aspetos do quotidiano com um discurso estético, os restaurantes tornaram-se teatros de culinária.

Agora os restaurantes são ícones culturais que por vezes pouco se distinguem de galerias. Chefes - pelo menos aqueles com ambição, com visão e com capital cultural - pertencem ao mundo da arte, em que o critério de excelência resulta da capacidade de apresentar um estilo próprio, uma assinatura. Embora nem tudo tenha mudado, estas transformações definem o novo mundo gastronómico. Como todas as artes, a cozinha tem uma qualidade dinâmica. Os padrões culinários mudam à medida que os estilos entram ou saem de moda, e os críticos e meios de comunicação proclamam a próxima tendência ou o chefe do momento.

 

rest2.jpg

 

No início dos anos 1970 surgiu nos EUA, com Alice Waters (com ligações ao mundo da arte), e o  seu Chez Pannise, um movimento que enfatizou uma culinária natural, mais fresca e local, e associou uma componente ética à cozinha. Isto constituiu uma mudança dramática relativamente aos grandes restaurantes franceses que até aí definiam o fine dining. O acesso a ingredientes de alta qualidade e o desenvolvimento de alianças com agricultores locais e independentes foram cruciais. Esta foi a origem do movimento da terra para a mesa. Os pratos tornaram-se mais leves, tal como aconteceu com o movimento da Nouvelle Cuisine (quase simultâneo). Mais tarde, canibalizando cozinhas étnicas, os melhores chefes abraçaram a Cozinha de Fusão, muitas vezes um pouco confusa, mas tirando partido da diversidade de sabores globais.

 

rest3.jpg

 

Com a chegada do novo milénio, chefes como Heston Blumenthal, Grant Achatz e, o mais influente, Ferran Adria adotaram um conjunto de novos ingredientes, espumas, técnicas com azoto líquido, sous-vide, esferificações e alimentos em pó. Técnicas pouco acessíveis a muitos cozinheiros ou às cozinhas domésticas. Alguns anos depois, os novos restaurantes proclamaram uma fidelidade aos ingredientes locais, "autênticos", que posteriormente se estenderam no que foi chamado de New Gathered Cuisine, de que o Noma é um exemplo. O uso de ingredientes que não são cultivados, mas recolhidos em bosques ou praias, torna-os igualmente pouco acessíveis. Estes dois estilos de cozinha competem entre si. Num os chefes dão ênfase a ingredientes, por exemplo de origem local, noutro a técnicas profissionais, como sous-vide ou espumas. Os estilos do restaurante oscilam entre os dois.

 

rest5.jpg

 

Inicialmente os restaurantes de alta cozinha eram pequenas empresas que não se prestavam a duplicação. Hoje é comum a existência de chefes-proprietários que têm vários restaurantes por todo o mundo com a sua marca. Nalguns casos, os novos locais imitam os originais (constituindo uma cadeia de luxo); noutros os restaurantes apelam para nichos de mercado diferentes, mas contando com a assinatura do chefe. Esses chefes deixaram a cozinha e tornaram-se gestores, criando receitas para que as suas equipas as reproduzam. Os restaurantes de topo mudaram de pequenas comunidades, supervisionadas por um chefe no local, para unidades de produção de complexos culinário-industriais com investidores que garantem segurança financeira.

 

rest4.jpg

 

Com a transformação da culinária numa marca do capital cultural, o status do cozinheiro subiu, assim como o nível educacional dos chefes que com o tempo deixaram de ser conhecidos apenas dentro do mundo da alta gastronomia e dos gastrónomos e passaram a ser muito queridos pela comunicação social, a atrair multidões e a surgir regularmente em jornais e revistas culinárias e a produzirem livros de sucesso.

 

rest6.jpg

 

Uma outra grande mudança está relacionada com o facto de há duas décadas os gastrónomos terem poucos meios para partilhar a sua paixão. Agora, existe uma enorme variedade de revistas sobre gastronomia, a maioria dos jornais tem críticas de restaurantes e artigos de jornalismo gastronómico, que têm cada vez mais destaque e qualidade. Os canais de televisão têm inúmeros e variados programas de culinária. Os guias culinários abrangem um número sempre crescente de países e cidades. Surgiram os blogs, fóruns de discussão e outras redes sociais, muitas vezes desprezadas pelos chefes e proprietários de restaurantes que se queixam que cada cliente tem um blog e um telemóvel, mas tudo isso contribui para o interesse pela cultura dos restaurantes.  Através destes locais de partilha de afinidades o alimento tornou-se semelhante a outros domínios artísticos no seu discurso crítico, que envolve o conhecimento compartilhado e, por vezes, avaliações mordazes.

 

Há duas décadas a investigação académica sobre alimentação era muito reduzida, hoje já não é assim. É um tema de investigação cada vez mais atraente. Vivemos num mundo em que mais do que nunca se pode dizer: "Diz-me o que comes e dir-te-ei quem és". No mundo atual os chefes são culturalmente influentes e os clientes cada vez mais conscientes de aspetos da economia, política e arte relacionados com os alimentos.

 

 

 

1ª Foto DAQUI                                                 2ª Foto DAQUI

3ª Foto DAQUI                                                 4ª Foto DAQUI

5ª Foto DAQUI                                                 6ª Foto DAQUI

 

 

 

Leguminosas para todos os gostos

por Paulina Mata, em 03.11.16

bolinho de feiju.jpg

 

preto.jpg

 

Li no Fugas desta semana o artigo Feijão, Grão e Lentilhas para Todos os Gostos da Alexandra Prado Coelho. Gostei de ler e de ver divulgadas novas formas de comer leguminosas. Que são tão importantes e que consumimos bem menos do que devíamos.

 

balanca alimentar.jpgBalança Alimentar Portuguesa 2012

 

Gostei também de me lembrar do Bolinho de Feiju que tinha comido poucos dias antes no Aromas e Temperos, do Húmmus que tinha comido no Muito Bey e da Dosa que no verão comi no Costa do Malabar.  Uma leitura cheia de sabores!