Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Assins & Assados

Gastronomia - qual o seu significado?

por Paulina Mata, em 07.11.17

gastronomia.png

verde escuro.jpg

 

Uma palavra profusamente usada. Uma palavra de que todos achamos que sabemos o significado.

 

Estaremos todos a falar do mesmo quando falamos de gastronomia? Pela minha experiência não. É daquelas palavras que é quase "cada cabeça, cada sentença". 

 

Já o tenho discutido com algumas pessoas, até em eventos em que o nome tem gastronomia. E nunca há consenso sobre o significado da palavra.

 

Para cada um de vós, o que significa GASTRONOMIA? Estou curiosa, e da discussão talvez nasça, se não a luz, pelo menos algo interessante.

 

 

Imagem DAQUI

 

O direito a flirtar com a dimensão lúdica da expressão culinária tem que ser de todos.

por Paulina Mata, em 04.11.17

IMG_20171019_111356.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Fotografia péssima, mas é o melhor que se arranja. Foi tirada do fundo da sala, durante a comunicação Playing with food: reconfiguring the gastronomic experience through play de Ferran Altarriba Bertran e Danielle Wilde, na 1st International Conference on Food Design and Food Studies: Experiencing Food, Designing Dialogues, em Lisboa. 

 

Lembrei-me dela no seguimento dos comentários do post anterior. O direito a flirtar com a dimensão lúdica da expressão culinária tem que ser de todos. 

 

Não será arrogância e paternalismo?

por Paulina Mata, em 03.11.17

Waterside Inn 2.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Li um artigo sobre o facto do restaurante Waterside Inn em Bray ter colocado "um aviso à porta onde pede aos clientes que parem de fotografar a comida".  Não estava a pensar ir ao Waterside Inn (já ao vizinho do lado, teria mais interesse), mas se estivesse pensava duas vezes. Este tipo de atitude soa-me a arrogância e paternalismo. E não gosto!

 

Segundo o artigo, o chef justifica-o assim:

"Começo mesmo a ficar chateado com as pessoas a tirarem fotografias. Colocámos um aviso na porta: 'Por favor, não tirem fotografias'", disse um dos donos do restaurante, Michel Roux.

 

Desculpe!!!!????

Qualquer cliente que lá vá comer, segundo o site do restaurante, pagará 167,5 £ pelo menu de degustação, ou caso escolha à carte o valor médio indicado é 300 £ por casal, a estes valores há que adicionar o preço dos vinhos.  Pagar isto não dá o direito a cada um de usufruir da refeição como bem entende? Tem que aturar os juízos de valor do chefe e o facto de "ficar chateado"? Por favor! Pois que fique.

 

Hoje são as fotos, amanhã será outra coisa... O tempo que levamos a comer? Demasiado rápido? Demasiado lento? Se conversamos enquanto comemos? Se deixamos alguma coisa no prato? Se tomamos notas do que comemos? Sei lá até onde os humores do chefe o podem levar...

 

Será que cada um, desde que não incomode os outros, não pode usufruir da sua refeição como quer? O chefe tem a responsabilidade de produzir a comida pedida pelo cliente e de criar condições para que ele possa usufruir dela nas melhores condições, mas quando ela é posta em cima da mesa, ela é do cliente. Que se quiser a come fria, que se quiser nem a come, só a fotografa. Ou seja que faz da comida o que lhe der mais gosto e prazer.

 

Gosto de tirar fotos, e frequentemente nem as publico em lado nenhum. Mas permitem reviver e refletir sobre o que comi. E considero que é muito limitado um chefe não entender isto - mais um ponto contra ele.

 

Sou eu que estou a ver mal, ou de facto é uma (insuportável) arrogância e paternalismo?

 

 

Foto (tirada por um cliente no Waterside InnDAQUI

 

Comida portuguesa, sem twists ou re-interpretações

por Paulina Mata, em 21.10.17

polvo.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Aconteceu-me duas vezes esta semana. Uma conversa e a certa altura vem à baila a questão "Se perguntarem onde comer em Lisboa comida portuguesa, tradicional, o que se aconselha?". A questão surgia porque as pessoas com quem falava não tinham grandes sugestões também.

 

Numa das conversa a questão surgiu quando se falava da atual abertura de uma enorme quantidade de restaurantes, e de nenhum de nós se lembrar de abrir um com boa cozinha portuguesa, tradicional, sem twists.

 

Na outra, propósito de uns estrangeiros que estavam em Lisboa. Quem me fez a pergunta foi um dos meus alunos, que me disse que muitos alunos de Erasmus já lhe fizeram essa pergunta e ele não sabia responder.

 

Estranho, num país com uma cozinha variada, por muitos dos portugueses considerada "a melhor do mundo", se tenha tanta dificuldade em aconselhar / escolher algum restaurante que sirva um boa cozinha portuguesa em Lisboa. Não fica bem! 

 

Fazem falta bons restaurantes, onde se coma a comida que resultou da evolução ao longo dos tempos. Sem os ditos twists ou re-interpretações, bem tradicional e bem confecionada. Gostava de da próxima vez saber responder. E decidi começar a fazer uma lista de locais seguros, e a visitá-los mais.

 

Preciso de ajuda! O que recomendam? Digam de vossa justiça e vou completando a lista em baixo:

 

Cova Funda - Rua Augusto Machado 

Dom Feijão - Av de Roma 

 

Sugestões dos leitores:

Travessa do Rio - Travessa do Rio, 4 - Benfica

Salsa e Coentros - Rua Coronel Marques Leitão, 12, Alvalade

Bel'Empada - Avenida João XXI, 24B

Taberna do Vilarinho - Rua das Canastras, 8, Sé

Zé da Mouraria 2 - Rua Gomes Freire, 60, Pena

Tico Tico - Avenida Rio de Janeiro, 19/21, Alvalade

Os Courenses - Rua José Duro, 27D, Alvalade

O Magano - Rua Tomás da Anunciação, 52, Campo de Ourique

Stop do Bairro - Rua Marquês de Fronteira, 173A, Campolide

Casa dos Passarinhos - Rua Silva Carvalho, 195, Campo de Ourique

Faca & Garfo - Rua da Condessa, 2, Chiado

Maçã Verde - Rua dos Caminhos de Ferro, 84, Santa Apolónia

O Rui do Barrote - Rua Zófimo Pedroso, 33, Marvila

A Casa do Bacalhau - Rua do Grilo, 54, Beato

O Solar dos Presuntos - Rua das Portas de Santo Antão, 150

A Tasca do João - Rua do Lumiar, 122, Lumiar

Tasquinha do Lagarto - Rua de Campolide, 258, Campolide

Casa do Alentejo - Rua das Portas de Santo Antão, 58

Fidalgo - Rua da Barroca, 27, Bairro Alto

Cervejaria Bessa - Rua dos Douradores, 206-210

Laurentina - Av. Conde Valbom 71A

Marítima de Xabregas - Rua da Manutenção 40

Pérola do Ceira - Rua José D'Esaguy, 4E, Alvalade

Os Compadres - Estrada do Desvio, 21, Alta de Lisboa

O Galito - Rua Adelaide Cabete, 7B, Carnide

O Jacinto - Avenida Ventura Terra, 2, Telheiras

Adega das Gravatas - Travessa do Pregoeiro, 16, Carnide

Novo Edmundo - Rua São Simão, 5, Pontinha

Velho Mirante - Rua de Santo Eloy, 2, Pontinha

Varanda Vale Formoso - Rua do Vale Formoso de Cima, 113B, Marvila

Zé do Cozido - Rua José Acúrcio das Neves, 3A

 

 

 

A foto do início é de um óptimo polvo que comi esta semana no Cova Funda.

 

 

Preços, Qualidade... (3)

por Paulina Mata, em 07.10.17

eggs.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Recentemente o pequeno almoço foi num pub ao pé de casa. Nada de especial, um pub grande, simpático, com wifi, de uma grande cadeia de pubs em Inglaterra. Acabei por ficar por lá o dia todo a trabalhar.

 

Ao pequeno almoço comi Eggs Royale - dois ovos escalfados sobre um muffin, salmão fumado, molho holandês e rúcula, acompanhado por um Mocha.  Muito agradável!

 

Custou-me o pequeno almoço completo 5,19 £, ao câmbio atual 5,79 euros.

 

Dá que pensar...

Sabe-se que se está num outro país quando... (II)

por Paulina Mata, em 06.10.17

IMG_5974.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Sabe-se que se está noutro país quando se vai ao supermercado e se encontram vinhos emparelhados com objectos improváveis.

 

Vinhos que vêm com luzinhas para que, depois do vinho consumido, a garrafa sejam transformada em decoração.

 

IMG_5975.jpg

 

Mas mais do que isso, vinhos que trazem uma lima e verniz para as unhas:

 

IMG_5977.jpg

 

Com conselhos sobre a situação em que usar e como tratar as unhas.

 

IMG_5980.jpg

IMG_5981.jpg

 

Ou prosecco com velas aromatizadas para ajudar a criar ambiente...

 

IMG_5978.jpg

 

Ri, comentei, tirei fotos... mas fiquei a pensar nisto, e gosto. Gosto desta ideia de vinhos menos sérios, mais divertidos e irreverentes. 

 

 

As coisas estão a mudar... têm que mudar

por Paulina Mata, em 03.10.17

IMG_20171001_003031.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Ao passar as páginas de uma revista, vejo a seguinte frase do Jamie Oliver:

 

As someone in the food industry you get lazy because it's easy to achieve great flavour with great dairy and great meat. Now chefs aren't hailed as great chefs unless they're amazing at beans, lentils and so on.

 

As coisas estão a mudar...  a forma como comemos e o que valorizamos tem mesmo que mudar.

 

Empratamentos originais... mas já há quem peça o regresso dos pratos

por Paulina Mata, em 14.09.17

food-on-sanitary-towel.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Há um par de anos li, já não sei onde, um conhecido e inovador chefe dizer que uma vez tinha ido a um restaurante e lhe tinham servido um dos componentes de um prato como se fosse pasta de dentes, numa escova de dentes. Diz que teve dificuldade em meter aquilo na boca, mas que curiosamente os filhos acharam imensa graça e não tiveram qualquer problema. Todos temos os nossos limites... e todos eles são diferentes.

 

Eu, pessoalmente, aprecio até a estética da apresentação em que podem ser usados outros suportes que não os tradicionais pratos. No entanto, acho que teria alguma dificuldade em comer a sobremesa acima, servida sobre um penso higiénico. Uma sobremesa recomendada no radical restaurante Alcatraz em Tóquio.

 

alactraz sobremesa.jpg

 

Onde é que a descobri? No site We Want Plates, que chama a atenção para empratamentos utilizando suportes diferentes dos clássico pratos, e de certa forma tem como objetivo lutar pelo regresso destes.

 

58a76992e31d03.91227778_8709056_480xauto.png

 

Estive a ver e, nalguns casos, até já me serviram pratos em suportes idênticos aos que encontrei lá e até achei engraçado. Mas noutros, tenho que reconhecer que a falta bom senso e de bom gosto são grandes...

 

dental-mould.jpg

 

soup-in-a-shoe.jpg

 

e já que estamos numa de sapatos...

 

tempura-shoe.jpg

 

Mas a delicadeza pode ser menor:

 

IMG_6795.jpg

 

Quanto a mim, cada um use os suportes que quiser... Tenhamos nós capacidade de nos divertirmos com eles, porque são interessantes ou porque o absurdo é tão grande que nos arrancam uma gargalhada.

 

 

Fotos DAQUI

 

Excepto a 2ª que é DAQUI  (Aviso! Tem empratamentos que poderão ser verdadeiramente chocantes.)

 

 

Why we fell for clean eating - Vale a pena ler.

por Paulina Mata, em 04.09.17

 BW guardian.jpg

 

preto.jpg

 

Cada um tem o direito de comer o que entender, e isso nem discuto, e respeito. Compreendo que por questões ideológicas, religiosas e de saúde não se comam determinados alimentos. Já não compreendo é que se "vendam" dietas com benefícios pretensamente comprovados, ganhando dinheiro com isso ou não, quando de facto não há nada sério que o comprove e as ditas dietas possam até ser perigosas. E essas dietas abundam... são tantas que há sempre uma e o seu oposto... Modas sempre as houve, em tudo, e com o que comemos também... Agora endeusar uns alimentos chamando-lhes "superalimentos" ou "alimentos puros" e demonizar outros, é algo que também não entendo. E cada vez mais penso que seria necessário algum controle e tomar medidas que levem a opções mais conscientes.

 

Já algumas vezes abordei brevemente estes assuntos aqui. De facto não sou especialista e escrever de forma fundamentada requereria um tempo de que não disponho. Mas gostaria muito de ver, com igual visibilidade, textos sérios e bem fundamentados de especialistas no assunto sobre tudo isto. Gostaria também de ver textos sérios na imprensa, em vez de ver quase exclusivamente uns textos que são apenas uma quase amplificação de dietas sem qualquer fundamento sólido ou de presumíveis, mas não comprovados, benefícios para a saúde relativamente ao consumo, ou não, de determinados alimentos.

 

Este fim de semana passei um bom bocado a ler um artigo muito interessante sobre "clean eating":

 

"Why we fell for clean eating"  

de

Bee Wilson

 

Valeu a pena, e de facto a forma como as pessoas aderem a estes movimentos e a forma como reagem a opiniões diferentes dá que pensar...

 

Preços, Qualidade... (2)

por Paulina Mata, em 17.08.17

damascena-coffee-house.jpg

 

verde escuro.jpg

 

Gostamos de comida do Médio Oriente, e em Birmingham vamos sempre ao Damascena. Um ambiente simpático, uma grande variedade de oferta, várias opções vegan.

 

É um local bastante concorrido, e por vezes é difícil arranjar mesa. Mas há poucos dias, quando lá fomos almoçar, talvez por ser a meio da semana,  tivemos a sorte de arranjar logo mesa. Para três pessoas partilhámos:

 

IMG_20170815_135424.jpg

Manageesh with Zatar

 

IMG_20170815_135434.jpg

 Fatayer  M'hamara 

 

IMG_20170815_140107.jpg

 Mushroom Soup  /  Fatayer - Spinach and Sumac Herb

 

IMG_20170815_135140.jpg

Falafel served with Flatbread and Baba Ghanuuj

 

IMG_20170815_135204.jpg

 Makali Salad 

 

IMG_20170815_135214.jpg

 Vine Leaves stuffed with Rice and Herbs

 

IMG_20170815_135100.jpg

Brownie Vegan

 

Eu ainda bebi uma chá.

 

IMG_20170815_135020.jpg

Fresh Mint Moroccan Tea

 

Um bom almoço. Comida fresca, saborosa e em doses generosas. Um serviço simpático. Mas a razão que me levou a escrever sobre este almoço não foi a sua qualidade, mas a relação preço / qualidade.

 

Por tudo isto pagámos 27 £, ao câmbio atual 29,60 €. Deu-me que pensar... onde é que eu comia um almoço como este, com a qualidade  e quantidade deste, por menos de 10 € por pessoa em Portugal?

 

Dá que pensar...

 

 

1ª Foto DAQUI