Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Assins & Assados

Dar a provar o vinho num restaurante - um momento dispensável?

por Paulina Mata, em 17.02.17

vinho.jpg

 

cinzento.jpg

 

Há uns anos fui com um amigo a um restaurante e, quando vieram servir o vinho e perguntaram quem o provava, ele disse qualquer coisa como: 

 

Prove o senhor por favor, e se estiver bom serve-nos. Se não estiver, não seria muito agradável prová-lo.

 

A minha confiança a provar vinhos não é assim muito, muito grande, de modo que achei o máximo. Pensei mesmo: Quando "for crescida" quero ter coragem de fazer o mesmo!

 

Apesar de já ser crescidinha... nunca tive coragem de o fazer. Provo, em geral está bom. Mas já uma vez, há uns anos, me aconteceu ter muitas dúvidas... e não ter coragem de o assumir. Inseguranças que não me aconteceram de certeza só a mim, já que essa decisão exige um conhecimento especializado que nem todos têm. Algumas pessoas podem inclusivamente achar que são elas que não gostam do vinho que pediram, não identificarem o  defeito, e não terem coragem de dizer.

 

Tudo isto que acabei de dizer, e o facto de haver em muitos restaurantes pessoas especializadas no serviço de vinhos, levam a que em alguns restaurantes de topo o vinho seja aberto e provado antes de ser servido. Não havendo portanto o momento da prova do vinho à mesa. Acabei de ler um artigo, de que gostei muito, sobre isso no New York Times - Should Restaurantes Offer Guests That First Taste of Wine?

 

Eu, pessoalmente, dispenso esse momento. Com muita alegria. Fico muito feliz se me evitarem ter que avaliar um vinho, para ver se tem algum defeito ou não, quando alguém me pode proporcionar esse serviço e fazê-lo com muito mais conhecimentos. Mas, pelo que li, há quem não o queira dispensar. Quem se sinta um pouco excluído de todo um ritual de que gosta, ou quem sinta que eliminar esse momento é uma arrogância por parte do restaurante, que de certa forma não atribui confiança à opinião do cliente. 

 

Como fazer de forma a agradar a todos? Será que não seria suficiente informar o cliente de que consideram que o vinho está em perfeitas condições e perguntarem se o cliente quer ou não provar para confirmar?

 

 

14 comentários

Comentar post